Campanha da Fraternidade 2011 PDF Imprimir E-mail
3. Quais são as estratégias a serem utilizadas para que os objetivos geral e específicos sejam alcançados?

São três as estratégias propostas pelos Bispos do Brasil:

1) Denunciar situações e apontar responsabilidades no que diz respeito aos problemas ambientais decorrentes do aquecimento global; 

2) Propor atitudes que tenham a vida como referência no relacionamento com o meio ambiente;

3) Mobilizar pessoas, comunidades, Igrejas, religiões e a sociedade para assumirem o protagonismo na construção de alternativas para a superação dos problemas socioambientais decorrentes do aquecimento global.

4. O que é o aquecimento global?

É o aumento da temperatura média dos oceanos e do ar perto da superfície da Terra. Essa temperatura está subindo espantosamente nas últimas décadas, com tendência a aumentar.

5. Quais as consequências do aquecimento global?

Entre outras, o aumento do nível dos oceanos, o aumento da desertificação, aumento de furacões, tufões e ciclones, ondas de calor. Um exemplo: na primeira quinzena de agosto de 2010, enchentes violentas na China e no Paquistão fizeram grande número de vítimas, ao mesmo tempo em que na Rússia o calor chegou a matar setecentas pessoas por dia na capital, Moscou.

6. Por que o aquecimento global está aumentando?

Principalmente pelo aumento crescente da emissão de gases poluentes derivados da queima de combustíveis fósseis, como gasolina, o diesel, a querosene, o carvão mineral e vegetal. O ozônio, o dióxido de carbono, o metano, o óxido nitroso e o monóxido de carbono formam como que uma couraça – camada de poluentes – que impede a dispersão do calor, pois absorvem grande parte da radiação infravermelha emitida pela Terra. A camada de poluentes forma o chamado efeito estufa. Com isso, o nosso planeta fica cada vez mais quente e, consequentemente, passa a ser atacado por ondas de calor, enchentes, ciclones, desertificações, furacões, incêndios, tufões, etc...

7. O desmatamento facilita o aquecimento global?

Sim. As matas derrubadas, e pior ainda, queimadas, deixam o solo desprotegido. Os raios de sol, ao incidirem sobre o solo, irradiam calor na atmosfera, que não se dispersa devido a camada de poluentes, contribuindo diretamente para a ampliação do efeito estufa.

8. O que é o dióxido de carbono e como ele contribui para o aquecimento global?

O dióxido de carbono, comumente conhecido como gás carbônico, é formado por dois átomos de oxigênio e um de carbono; é representado pela fórmula química CO². os vegetais necessitam dele para a fotossíntese, processo através do qual as plantas transformam a energia solar em energia química. (Quanto mais desmatamento, menos árvores para absorver o gás carbônico.) É pela respiração e pela queima de combustíveis fósseis que o dióxido de carbono é lançado na atmosfera, ocasionando o efeito estufa e contribuindo para o aquecimento global.

9. O gás carbônico é o único a causar o efeito estufa?

Não. Ele contribui, segundo os cientistas, com 53% do total dos gases que produzem o efeito estufa. Os outros são o metano, o óxido nitroso, os perfluorcarbonetos e até o vapor da água.

10. O que é o protocolo de Kyoto?

É um acordo internacional feito por vários países para diminuir a emissão de gás carbônico para a atmosfera. Por ter sido realizado no Japão, em 1997, na cidade de Kyoto, é que o documento ganhou essa designação. Estados Unidos da América, Rússia, Alemanha, Grã Bretanha e Japão, juntas, são responsáveis por 70% das emissões de gases que formam o efeito estufa. Segundo o protocolo, os países signatários devem reduzir os seguintes gases: Dióxido de Carbono, Óxido nitroso, Metano, Clorofluorcarbonetos, Hidrofluorcarbonetos, Perfluocarbonetos e Hexafluoreto de enxofre. O “Acordo de Copenhague”, realizado na capital da Dinamarca de 7 a 18 de dezembro de 2009, tendo como assunto as mudanças climáticas, foi uma decepção. O Acordo foi um desacordo total, sem conseguir chegar a metas comuns. Em outubro de 2010, mais de cem países participaram da Conferência Mundial sobre biodiversidade, no Japão.

11. O que a Igreja tem a ver com o aquecimento global?

Tem tudo a ver porque ela promove e defenda uma vida de qualidade para todas as pessoas, sem exceção. Se o aquecimento global diminui ou coloca em risco a vida, é seu dever denunciar a situação e colocar-se à disposição da humanidade para que o quadro (de morte) seja revertido. Daí a Campanha da Fraternidade deste ano convida os católicos e demais pessoas de boa vontade para refletir, estudar e agir em prol de um planeta sem a camada de poluentes.

12. O que eu posso fazer diante de tão grande desafio?

Antes de mais nada, tomar consciência da situação para auxiliar outras pessoas a também entenderem o que está acontecendo em nosso planeta. Outra sugestão: participar da comunidade e de grupos de estudo sobre a CF 2011 em sua paróquia, escola e grupo de reflexão. Quanto mais o tema for conhecido e debatido, tanto mais pessoas estarão atentas à realidade que as cerca e contribuirão para que ela melhore.

13. O que eu posso fazer para diminuir a emissão de gás carbônico para a atmosfera?

Segundo a USP (www.usp.br), todos devem conhecer a regra dos três Rs, que significa: Reduzir, Reutilizar e Reciclar. “Qualquer um dos Rs só irá acontecer se houver um programa de educação da população. Somente o processo de reciclagem economiza mais de 50% da energia utilizada no processo convencional”.

14. O que mais posso fazer?

Eis algumas dicas dadas pela USP em seu site:

1)     Não aceite sacolas plásticas se dá para carregar sua compra sem ela, ou se vai jogar fora depois;

2)     Só aceite outra sacola plástica se aquela que você tiver nas mãos já estiver totalmente cheia;

3)     Escreva dos dois lados do papel;

4)     Sempre que puder consuma bebidas que vem em recipientes retornáveis;

5)     Evite comprar alimentos com muita embalagem;

6)     Economize energia e água;

7)     Ande mais de bicicleta e a pé;

8)     Eduque seu filho, amigo, vizinho;

9)     Recicle papel, latas, vidros e plásticos.

15. A Igreja tem se pronunciado sobre o aquecimento global?

Sim. Citemos apenas dois: o Documento de Aparecida (CELAM) é insistente no dever que temos de cuidar da natureza, inclusive para diminuir o aquecimento global: “Desde o Cone Sul do Continente Americano e frente aos ilimitados espaços da Antártida, lanço um chamado a todos os responsáveis de nosso planeta para proteger e conservar a natureza criada por Deus: não permitamos que nosso mundo seja uma terra cada vez mais degradada e degradante”.

16. Concluindo

“Como profetas da vida, queremos insistir que, nas intervenções sobre os recursos naturais, não predominem os interesses de grupos econômicos, que arrasam irracionalmente as fontes de vida, em prejuízo de nações inteiras e da própria humanidade. As gerações que nos sucederão têm direito a receber um mundo habitável e não um planeta com ar contaminado” (Documento de Aparecida, nº 471).